Trilhas de Conhecimentos - O Ensino Superior de Indígenas no Brasil

Projeto
Público Alvo
Expediente

Artigos
Dissertações e Teses
Referências Bibliográficas
Livros

Entrevistas

Núcleo Roraima
Núcleo Mato Grosso do Sul

Galeria Multimídia

Ações Governamentais
Educação Superior Indígena


Links
Newsletter

Fale Conosco
Mapa do Site


 
     
Núcleo Mato Grosso do Sul / Dados Fisográficos e Toponímia



Dados Fisiográficos

O estado de Mato Grosso do Sul, localizado na região Centro-Oeste do Brasil, limita-se ao norte com o estado de Mato Grosso, a nordeste com os estados de Goiás e Minas Gerais, a leste com o estado de São Paulo, a sudeste com o estado do Paraná, ao sul e sudeste com o Paraguai e a oeste com a Bolívia. Com uma área total de 357.124,962 Km2, o estado corresponde a 18% da região Centro-Oeste e 4,19% do território brasileiro, sendo o sexto maior estado do país. O Pantanal sul-matogrossense corresponde a cerca de 25% da área do estado, com 89.319 Km2.


Fonte: http://www.guianet.com.br/ms/mapams.htm , acessado em 01/11/2005

O relevo de Mato Grosso do Sul apresenta altitudes moderadas, tendo seu ponto culminante a 1.160 m de altitude no Morro Grande. Apresenta o complexo do Pantanal no extremo oeste, planícies na parte noroeste e planaltos com escarpas na serra da Bodoquena. No entanto, de um modo geral, a paisagem natural do estado pode ser dividida em dois grandes conjuntos, segundo as duas bacias hidrográficas do estado, a do Paraná a leste e a do Paraguai a oeste. Na bacia do Paraná predominam os chapadões, planaltos e vales, com altitudes mais elevadas e rupturas de declive ao norte.

Já na bacia do Paraguai, o relevo pode ser dividido em dois grupos bem distintos. Na área do Pantanal Sul-matogrossense, mais próximo à calha do rio principal, o relevo é aplainado e inundável, constituindo campos naturais. Já nas demais áreas da bacia, o relevo é mais elevado, encontrando com muita freqüência rupturas de declive ou relevos residuais. Os principais rios do estado são o Paraguai, o Paraná, o Paranaíba, o Miranda, o Aquidauana, o Taquari, o Negro, o Apa e o Correntes.



Clique aqui para ver uma versão ampliada do mapa.

Fonte: http://www2.uniderp.br/Atlas/bhidro.htm

O clima de Mato Grosso do Sul é o tropical semi-úmido e, em algumas áreas, tropical de altitude, apresentando um verão chuvoso e inverno seco. Sua temperatura média anual varia entre 21º e 28º C, com uma média de 2.000 mm de chuva anual. O estado está numa zona de transição climática. Ele é cortado pela Faixa Zonal Divisional, concebida por Carlos Augusto Monteiro como o limite virtual de atuação de massas de ar no país. Desse modo, ao norte predomina a ação das massas de ar tropicais e equatoriais, enquanto ao sul predomina a ação de massas de ar tropicais e polares, provocando eventualmente geadas nessa parte do estado.

A região de Campo Grande apresenta verões chuvosos e invernos secos. Os meses de junho, julho e agosto são aqueles em que menos chove, enquanto dezembro e janeiro se destacam pela quantidade de chuvas registradas.



Fonte: www.inmet.gov.br


Clique aqui para ver uma versão ampliada do mapa.

Fonte: http://www2.uniderp.br/Atlas/mesoclima.htm

Quanto à cobertura vegetal, o estado encontra-se na confluência de três grandes conjuntos ecológicos do país: o pantanal, localizado a oeste; o cerrado, localizado a leste e a floresta tropical, ao sul. Parte da área do Pantanal é protegida pelo Parque Nacional do Pantanal, criado em 1981 e localizado ente os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, com uma área total de 135.000 hectares e perímetro de 260 Km.

Localizado numa planície em meio à planaltos e drenado por muitos rios, o Pantanal está sujeito a períodos de seca que vai de maio a setembro e períodos de enchentes, de outubro a março, quando seus rios transbordam e cobrem uma vasta área. Caracterizando-se por ser uma área de tensão ecológica, possui uma vegetação bastante diversificada, nele sendo encontradas as formações de Savana Gramíneo-Lenhosa, Floresta Semidecídua Aluvial e Floresta Semidecídua das Terras Baixas, fato que também faz com que sua fauna também seja bastante diversa. No entanto, a ocupação agrícola das áreas na periferia do Pantanal e mesmo dentro dele, tem gerado inúmeros problemas, dentre eles o assoreamento de seus rios, que hoje, ao lado da destruição da cobertura vegetal, já se tornou um dos problemas mais graves da região.


Clique aqui para ver uma versão ampliada do mapa.

Fonte: http://www2.uniderp.br/Atlas/pantibge.htm

Toponímia

O nome Mato Grosso teria sido dado pelos irmãos Paes de Barros, bandeirantes que percorreram a área do rio Galera pela primeira vez em 1734, a uma grande extensão de cerca de sete léguas de mato alto. Eles haviam percorrido os cerrados do chapadão dos Parecis, cobertos por uma vegetação bem menos espessa. Ao encontrarem uma área com uma vegetação de grande porte e emaranhada que dificultava a penetração, chamaram-na de Mato Grosso. Perto dali fundaram as Minas de São Francisco Xavier, tendo toda a região ficado conhecida como as Minas de Mato Grosso.



O projeto Trilhas de Conhecimentos foi encerrado em Outubro de 2009
© 2007 Todos os direitos reservados.Este material não pode serreescrito ou redistribuído sem prévia autorização.