Trilhas de Conhecimentos - O Ensino Superior de Indígenas no Brasil

Projeto
Público Alvo
Expediente

Artigos
Dissertações e Teses
Referências Bibliográficas
Livros

Entrevistas

Núcleo Roraima
Núcleo Mato Grosso do Sul

Galeria Multimídia

Ações Governamentais
Educação Superior Indígena


Links
Newsletter

Fale Conosco
Mapa do Site


 
     
Núcleo Mato Grosso do Sul / Os Kadiwéu



Os Kadiwéu

São remanescentes da família Guaikuru que compreende vários grupos, todos com ethos de caçadores agressivos. Ocupavam preferencialmente a planície do Chaco ou apropriavam-se do rio Paraguai. Na atualidade ocupam a Área Indígena Kadiwéu, ao norte do município de Porto Murtinho, somando cerca de 1.500 pessoas.

A literatura etnográfica confere destaque à análise da organização social deste grupo indígena, que teria desenvolvido uma estrutura mais complexa que a normalmente encontrada entre outras sociedades indígenas da América do Sul não-andina. Tratava-se de uma sociedade "senhorial" (termo utilizado com frequência pelas fontes históricas), que integrava os prisioneiros de guerra como cativos, a casta mais baixa da organização social Guaikuru, composta também pelos guerreiros e pela nobreza.

Fonte: http://www.neppi.org/fz (site do Fome Zero Indígena/MS; acessado em 31/01/06).

A adoção do cavalo significou para muitos grupos indígenas chaquenhos uma profunda mudança social, mas estreitamente ligada com as condições de subsistência do ambiente criollo colonial. A rapidez dos deslocamentos, a eficácia de novas táticas empregadas nas caçadas, a segurança de vitórias sobre seus vizinhos pedestres, o ethos da superioridade étnica, a auto-exaltação do homem guerreiro e logo, a igualdade competitiva com os colonizadores fez dos Guaikuru um povo temido e respeitado.

A família Kadiwéu é monogâmica, mas os casamentos geralmente duram pouco tempo, sobretudo entre jovens. A prática do divórcio é, assim, amplamente difundida e exercida. A residência dos conjugues após o casamento é matrilocal, com raras exceções. Ultimamente o novo casal vem adquirindo maior independência e tem constituído residência própria, normalmente nas imediações da casa dos pais da mulher. A vida cerimonial Kadiwéu é marcada atualmente pelos rituais de iniciação feminina e os relacionados à morte e ao luto além das atividades rituais realizadas nas festas do Bate-pau e do Bobo, que por sua vez, ocorrem principalmente no "Dia do Índio" e ocasionalmente em outras datas festivas.

A atividade xamanística perdeu muito de sua importância, mas o reduzido número de nidjienigi (xamãs), também chamados "padres", ainda conserva um certo prestígio. Uma das suas principais atividades, a de "curador", sofre a concorrência direta da assistência médica prestada pelos missionários evangélicos (e atualmente também pelos agentes de saúde da FUNASA), sendo que os Kadiwéu recorrem freqüentemente às duas práticas.

Atualmente a economia Kadiwéu se organiza principalmente em torno da obtenção dos recursos provenientes do arrendamento do seu território e através de projetos de parceria pecuária, além das atividades agrícolas, de criação de gado bovino e eqüino, e em menor escala, da caça, pesca e coleta. A realização de empreitadas e a venda da força de trabalho dos índios nas fazendas vizinhas e junto aos próprios arrendatários também são atividades importanes de subsistência. Todas essas tarefas são prioritariamente masculinas, excetuando-se a coleta. As mulheres também são as principais produtoras de artesanato para venda, gerando recursos razoáveis para a economia familiar.

Situação das terras

O território Kadiwéu foi legalmente reservado por força do Alvará de 01 de abril de 1680, que nunca foi revogado. O tratado de 1791 também reconheceu oficialmente o território estão ocupado pelos Mbayá-Guaikuru. Em 1889, o engenheiro José Alves Barros Maciel mediu e demarcou as terras Kadiwéu a pedido do presidente do Estado do Mato Grosso, cel. Antonio Pedro Alves de Barros, e em 1891 já possuíam título legítimo. A 07 de agosto de 1903 a medição da área foi aprovada pelo governador de Mato Grosso, coronel Antonio Pedro Alves Barros. Entre 1957- 58 a Assembléia Legislativa de Mato Grosso propôs a redução da área para 100.000 hectares e em 30 de agosto de 1961 o Tribunal Federal deu ganho de causa aos índios. A demarcação física foi realizada pelo Exército em 1981 e finalmente homologada pelo decreto nº 89.578 de 24.04.84, assinado pelo presidente João Figueiredo e ministro Mário Andreazza, num total de 538.536 hectares.

Os Kadiwéu lutaram ao lado dos brasileiros na guerra contra o Paraguai e atualmente dão grande importância à participação de seus antepassados nessa guerra, em função do qual teriam ganhado o território que habitam atualmente. Depois que pararam de guerrear e se sedentarizaram, a sociedade Kadiwéu passou por um processo acelerado de mudanças, ocasionado pela adaptação a outras atividades econômicas e pela própria mudança de atitudes de suas lideranças no relacionamento com os não-índios. Durante o último século, também enfrentaram inúmeros invasores mas foram intransigentes na defesa de seu território, recorrendo inclusive à histórica agressividade de seus ancestrais quando necessário.

Existem trabalhos sobre os Kadiwéu escritos por, entre outros, Boggiani, Lévi-Strauss, Darcy Ribeiro e Jaime Siqueira Garcia Jr.




O projeto Trilhas de Conhecimentos foi encerrado em Outubro de 2009
© 2007 Todos os direitos reservados.Este material não pode serreescrito ou redistribuído sem prévia autorização.